domingo, 12 de junho de 2016

Divisas traídas

Começamos explicando o que são divisas. Alguns fiéis podem não saber. Divisas são os lemas contidos nos escudos episcopais. Dito isto vamos ao que interessa.
Recentemente recordamos algo que Msr. Lefebvre ensinava a respeito da missa nova: 

"Está fora de questão incentivar as pessoas irem ao novo rito pois, lentamente, mesmo sem perceber, elas terminarão ecumênicas" (Arcebispo Lefebvre, Conferência em Ecône, 11 de abril de 1990)

Recentemente Dom Tomas em um sermão redundante de agradecimentos a Msr. Williamson, cita a divisa do mesmo - "Fidelis inveniatur" - (Que sejamos encontrados fiéis). Ou se trata de um problema de visão, ou de uma infidelidade a verdade. Cremos que é esta última o que se sucede com Dom Tomas, cuja a divisa - "Veritatis dilexisti" - (Tenho amado a verdade) está sendo traída frequentemente, dado que é difícil acreditar que Dom Tomás desconhece, por exemplo, a apologia do bispo inglês a missa nova, que pode ser frequentada para "nutrir a fé", o que notadamente entra em contradição com o que Msr. Lefebvre disse na citação acima, e o que os fatos demonstram.
Pode-se falar de fidelidade de um bispo que administra sacramentos a feneístas, que negam a doutrinam católica sobre o batismo? Que reiteradamente recomenda leitura da falsa vidente Maria Valtorta, herética, erótica e blasfema? Ou o santanista Elliot, entre outras coisas?
Com relação ao ecumenismo que menciona Msr Lefebvre, como uma consequência da missa nova, este se vê claramente manifesto no erro que ambos os bispos e outros tantos sofistas, doutores e monges franceses manifestam na famosa e triste celebre frase "misteriosamente unidos" na relação entre a Igreja Católica e igreja conciliar, pois este é um erro que ataca a unidade da Igreja.
Portanto, bem podemos dizer que Msr. Williamson é um perfeito infiel a sua divisa, e Dom Tomás outro tanto.

Padre Ernesto Cardozo
Pompeia, 13/06/2016

Festa de Santo Antonio de Pádua 

Tradução : Eugênio Mendes

Nenhum comentário:

Postar um comentário