domingo, 14 de fevereiro de 2016

Sempre bom lembrar

“Que ninguém se engane, não se trata de uma contenda entre Dom Lefebvre e o Papa Paulo VI. Trata-se da incompatibilidade radical entre a Igreja Católica e a Igreja Conciliar, a missa de Paulo VI representando o símbolo e o programa da igreja conciliar.
Bem! É precisamente as insistentes demandas para que mudássemos o nosso rito por aqueles enviados por Roma, que nos faz refletir. E estamos convencidos de que este novo rito da Missa exprime uma nova fé, uma fé que não é nossa, uma fé que não é a fé católica. Esta nova missa é um símbolo, uma expressão, uma imagem de uma nova fé, uma fé modernista “. (Ordenações sermão em Econe, 29 de junho de 1976)“

“Essa Missa não é má de uma forma meramente acidental ou extrínseca. Há algo nela que é verdadeiramente mau. Ela foi feita com base no modelo da Missa de  Cranmer e Taize. Como eu disse em Roma, para aqueles que me entrevistaram: É uma missa envenenada ” (. Abp Lefebvre, 1981, veja: ‘Biografia de Marcel Lefebvre, p.465)

Nenhum comentário:

Postar um comentário