domingo, 4 de setembro de 2016

Ainda sobre os bons e maus frutos - parte II

Seguem os comentários de Cornelio a Lapide sobre os bons e maus frutos. (The commentary of Cornelius a Lapide" em inglês, páginas 362 em diante.)

São Mateus 7,
15. Guardai-vos dos falsos profetas. Eles vêm a vós disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos arrebatadores.
16. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinhos e figos dos abrolhos?
17. Toda árvore boa dá bons frutos; toda árvore má dá maus frutos.
18. Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má, bons frutos.
19. Toda árvore que não der bons frutos será cortada e lançada ao fogo.
20. Pelos seus frutos os conhecereis. 


Diz Cornélio:

Versículo 17 . Mesmo assim, toda árvore boa, faz nascer bons frutos, e a má ( "inútil, insalubre, apodrecido", diz Euthymius) árvore faz nascer frutos maus. "Uma boa árvore não se distingue da má por suas folhas e flores, mas por seus frutos", diz S. Bernardo. Árvore, que significa uma planta frutífera; para alguns produz folhas e ramos sem frutos. Entenda "plantas frutíferas" significando todos os tipos, tais como espinhos e abrolhos, que foram mencionados anteriormente. Cristo continua o argumento aqui, como é evidente a partir da expressão "Assim como", que tem a seguinte valor. "Assim como você não colhe uvas dos espinhos, mas sim espinhos; nem figos dos abrolhos, mas sim cardos (um cardo é uma espécie de planta espinhosa, a partir de uma semente triangular, estritamente falando, ou que tem três pontas, onde é chamada em latim de tri-bulatio); portanto, de todos boas plantas (frutíferas) nasce bons frutos, de plantas ruins, maus frutos. Isto é claramente o estado das coisas. Vemos que isso é verdade em todos os lugares. 

Nota 1. De uma boa árvore neste caso, Nós não entendemos uma boa vontade, ou caridade, ou por uma árvore corrompida uma maldade, como Santo Agostinho, São Crisóstomo, Teofilato e Lyranus pensam, mas sim um bom ou mau professor (ou seja, aquele que é verdadeiro ou falso), pelas palavras que imediatamente seguem esta fala. Esta passagem ocupa-se apenas da fé e doutrina. São Lucas, no entanto, interpreta a árvore ruim como hipócritas, porque os falsos mestres são os maiores hipócritas, e também, porque esta fala também é verdade para todos os hipócritas. São Lucas, de fato, omite qualquer menção de falsos mestres, a quem São Matheus adequadamente nomeia e insere aqui. Esta parábola foi aplicada por Cristo especificamente para eles, e, portanto, São Lucas deve ser complementado e interpretado baseado em São Mateus.

2. Pelo fruto da árvore, isto é "do médico", deve ser entendido, [primeiro], a sua doutrina, (como São Lucas diz em 6,45), como resplandece a verdade de um verdadeiro professor, a falsa de um falso; então vemos, como São Jerônimo, São Crisóstomo e Santo Agostinho leram os versículos. Mesmo que os falsos mestres e hereges, por vezes, demonstram santidade em boas obras, no entanto, em si e por natureza, uma fé torta nascida em um professor torto tende a gerar obras e moral tortos, e na maioria dos casos este é o resultado; e isto é exatamente o que Cristo quer nos ensinar aqui. Ele quer dar um sinal nítido e fácil para observarmos um falso médico e uma falsa doutrina, o que pode tornar-se difícil, uma vez que o lobo pode estar escondido sob a pele de cordeiro, a menos que ele caia em contradição por seus atos. Por outro lado, a boa fé nasce de um bom professor, e por natureza, tende a produzir uma vida santa e ações e moral santas, produzindo estas coisas em muitas almas, ainda que o contrário aconteça acidentalmente. Por exemplo, um herege pode ser generoso ao dar a esmola por uma bondade natural, uma compaixão; a esmola é então o fruto, não da sua heresia ou erro, mas de sua bondade; é produzida por um coração bondoso, mas não pela heresia. Agora, por outro lado, segue-se a partir deste princípio dos hereges, a "sola fides" [a fé sozinha justifica], que uma pessoa iria dedicar-se em vão e sem mérito à penitência, mortificação, a esmola e atos virtuosos difíceis. Vamos comer, beber, e dar-nos a todos os tipos de prazeres desenfreados, então, porque amanhã morreremos e entraremos no céu bêbados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário